Pigatti Contabilidade - Pet Shop e Clínica Veterinária.
pigatti

Contabilidade para Pet Shop e Clínica Veterinária

    (11) 3340.6655     contato@pigatti.com.br      Cliente      Zen   
    
  
PETSHOPS E CLÍNICAS VETERINÁRIAS

Cuidar bem dos animais é um dever de todos e a Pigatti valoriza muito o trabalho dos pet shops. Por isso, contamos com um time de profissionais especializado em assessoria contábil, fiscal e tributária para prestadores de serviços como você.
Veja o que podemos oferecer para que a sua empresa continue a espalhar amor e carinho pelos nossos bichinhos:
• Abertura de empresa;
• Assessoria contábil;
• Assessoria fiscal;
• Assessoria trabalhista.

Solicite um orçamento







Em breve entraremos em contato com você.

pigatti
Sua mensagem está sendo enviada para nós.
Aguarde um momento.
X


A sua mensagem foi enviada com sucesso.
Obrigado pelo contato e em 15 minutos um orçamento será enviado a você via e-mail.

voltar à home

{"continue":{"imcontinue":"1365453|Flag_of_France.svg","grncontinue":"0.833170777822|0.833170777822|0|0","continue":"grncontinue||revisions"},"warnings":{"main":{"*":"Subscribe to the mediawiki-api-announce mailing list at for notice of API deprecations and breaking changes. Use [[Special:ApiFeatureUsage]] to see usage of deprecated features by your application."},"revisions":{"*":"Because \"rvslots\" was not specified, a legacy format has been used for the output. This format is deprecated, and in the future the new format will always be used."}},"query":{"pages":{"2402596":{"pageid":2402596,"ns":0,"title":"Checkpoint","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Desambigua\u00e7\u00e3o|''Checkpoint''}}\n\n[[Posto de fronteira|Postos de fronteira]], entre os quais os criados entre a Alemanha Ocidental e a Alemanha Oriental durante a Guerra Fria:\n*[[Checkpoint Charlie]]\n\n*[[Checkpoint Alpha]]\n\n*[[Checkpoint Bravo]]\n\nOutros usos:\n*[[Check Point]] \u2014 empresa israelita especializada em seguran\u00e7a inform\u00e1tica\n\n*[[Jogo salvo]] \u2014 local num jogo eletr\u00f3nico onde o estado de um jogador \u00e9 guardado\n\n*[[Checkpoint (pinball)]] \u2014 m\u00e1quina de ''pinball'' lan\u00e7ada em 1991 pela Data East\n\n{{Desambig-busca|vt=s|Checkpoint}}\n\n[[Categoria:Desambigua\u00e7\u00e3o]]"}]},"60114":{"pageid":60114,"ns":0,"title":"Cream","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Mais notas|data=agosto de 2020}}\n{{Info/M\u00fasica/artista\n | nome = Cream\n | fundo = grupo_ou_banda\n | imagem = Cream Clapton Bruce Baker 1960s.jpg\n |imagem_tamanho = 250px\n | legenda = Cream em 1967 (E-D): [[Ginger Baker]], [[Jack Bruce]] e [[Eric Clapton]]\n | origem = [[Londres]], [[Inglaterra]]\n | pa\u00eds = [[Reino Unido]]\n | atividade = 1966 - 1969, 1993, 2005\n | g\u00eanero = [[Hard rock]], [[blues-rock]], [[acid rock]], [[rock psicod\u00e9lico]], [[rock progressivo]]\n | gravadora = [[Reaction Records|Reaction]], [[Polydor Records|Polydor]], [[Atco Records|Atco]], [[RSO Records|RSO]]\n | integrantes = [[Ginger Baker]]
[[Eric Clapton]]
[[Jack Bruce]]\n | exintegrantes =\n | afilia\u00e7\u00f5es = [[Eric Clapton's Powerhouse|Powerhouse]], [[The Dirty Mac]], [[Graham Bond|The Graham Bond Organisation]], [[The Yardbirds]], [[John Mayall & the Bluesbreakers|John Mayall's Bluesbreakers]], [[Blind Faith]], Ginger Baker's Air Force, [[Derek and the Dominos]], [[BBM (banda)|BBM]], [[Ginger Baker]]\n | website =\n}}\n'''Cream''' foi um [[supergrupo]] de [[rock]] do [[Reino Unido]] formado por iniciativa do [[Bateria (instrumento musical)|baterista]] [[Ginger Baker]] com o [[Baixo el\u00e9trico|baixista]] [[Jack Bruce]] e o [[guitarra el\u00e9trica|guitarrista]] [[Eric Clapton]]. O seu som \u00e9 um h\u00edbrido de [[blues]], [[hard rock]] e [[rock psicod\u00e9lico]], combinando a t\u00e9cnica apurada de Clapton na guitarra com a poderosa voz e intenso baixo de Jack Bruce e a influ\u00eancia de [[jazz]] do baterista Ginger Baker.{{citar web|url=http://www.allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=11:gifixqw5ldte~T1|t\u00edtulo=Cream: Biography|\u00faltimo =Unterberger|primeiro =Richie|publicado=[[allmusic.com]]|l\u00edngua=ingl\u00eas|acessodata=30 de junho de 2008}}{{citar v\u00eddeo|t\u00edtulo= Cream: Classic Artists|medium = DVD|publicado= Image Entertainment|data= 2007}} ''[[Wheels of Fire]]'' foi o primeiro disco duplo a receber o certificado de vendas de platina no mundo.{{citar web|url=http://www.bbc.co.uk/dna/h2g2/A425774|t\u00edtulo=Cream - the Band|data=20 de setembro de 2000|publicado=[[BBC]]|l\u00edngua=ingl\u00eas|acessodata=30 de junho de 2008}} Cream \u00e9 largamente considerada como o primeiro not\u00e1vel [[supergrupo]] do mundo.[http://www.musicradar.com/news/guitars/the-worlds-18-biggest-supergroups-203302 Musicradar.com][http://www.cnn.com/2005/SHOWBIZ/Music/05/03/cream.reunion.concert/index.html CNN.com]{{Citar web |url=http://www.whereseric.com/news/2005/02/virgin-books-cream-the-worlds-first-supergroup.html |titulo=Whereseric.com |acessodata=2010-01-15 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20080516233840/http://www.whereseric.com/news/2005/02/virgin-books-cream-the-worlds-first-supergroup.html |arquivodata=2008-05-16 |urlmorta=yes }}\n\nA m\u00fasica do Cream inclui can\u00e7\u00f5es baseadas em blues tradicionais, como \"[[Cross Road Blues|Crossroads]]\" e \"[[Spoonful]]\", e blues modernos como \"[[Born Under a Bad Sign (can\u00e7\u00e3o)|Born Under a Bad Sign]]\", assim como can\u00e7\u00f5es mais exc\u00eantricas, tais como \"Strange Brew\", \"[[Tales of Brave Ulysses]]\" e \"[[Toad (can\u00e7\u00e3o)|Toad]]\". Os maiores singles do Cream foram \"[[I Feel Free]]\", \"[[Sunshine of Your Love]]\",{{citar web|t\u00edtulo= Cream: Biography: Rolling Stone|obra= RollingStone.com|url = http://www.rollingstone.com/artists/cream/biography |l\u00edngua=ingl\u00eas |acessodata= 8 de julho de 2008}} \"[[White Room (Cream)|White Room]]\", \"[[Cross Road Blues|Crossroads]]\", and \"[[Badge (can\u00e7\u00e3o)|Badge]]\".\"Badge\" search results. http://www.everyhit.com. Acessado em 2 de janeiro de 2010\n\nCream, junto com [[The Jimi Hendrix Experience]], tiveram um impacto significativo na m\u00fasica popular de seu tempo, e, junto com Hendrix, popularizaram o [[Wah-wah|pedal wah-wah]]. Eles proporcionaram \u00e0 m\u00fasica um tecnicamente competente aparato musical que influenciou bandas emergentes [[brit\u00e2nica]]s como [[Led Zeppelin]], [[Deep Purple]], [[Jethro Tull]], e [[The Jeff Beck Group]], no final da [[d\u00e9cada de 1960]]. As performances da banda influenciaram bandas de [[rock progressivo]], como [[Rush]],{{citar web|t\u00edtulo= allmusic (((Rush > Overview)))|obra= Allmusic.com| url = http://allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=11:gifwxqr5ldke |l\u00edngua=ingl\u00eas |acessodata= 8 de novembro de 2008}} [[jam band]]s como [[The Allman Brothers Band]], [[Grateful Dead]], [[Phish]] e grupos de [[heavy metal]] como o [[Black Sabbath]].{{citar web|t\u00edtulo= allmusic (((Black Sabbath > Overview)))|obra= Allmusic.com| url = http://allmusic.com/cg/amg.dll?p=amg&sql=11:gifoxqw5ldse~T0|l\u00edngua=ingl\u00eas |acessodata= 8 de novembro de 2008}}\n\nCream esteve na 16.\u00aa coloca\u00e7\u00e3o do ranking da [[VH1]] de ''100 melhores artistas de hard rock'' e a revista [[Rolling Stone]] os considerou a sexag\u00e9sima-sexta maior banda (ou artista) de todos os tempos.{{citar web|url=http://www.vh1.com/shows/dyn/the_greatest/62188/episode_wildcard.jhtml?wildcard=/shows/dynamic/includes/wildcards/the_greatest/hardrock_list_full.jhtml&event_id=862769&start=81|t\u00edtulo=VH1's 100 Greatest Artists of Hard Rock (20-1)|ano=2000|publicado=[[VH1]]|l\u00edngua=ingl\u00eas|acessodata=26 de junho de 2008}}\n\n== Hist\u00f3ria ==\n=== Forma\u00e7\u00e3o ===\nPor julho de 1966, a carreira de Eric Clapton com os [[The Yardbirds|Yardbirds]] e com os [[John Mayall's Bluesbreakers]] deu-lhe uma reputa\u00e7\u00e3o como o melhor [[guitarrista]] de [[blues]] do [[Reino Unido]]. A virtuosidade e o poder de Clapton com seu instrumento inspiraram um f\u00e3 a escrever com tinta spray as palavras \"Clapton is God\" (''\"Clapton \u00e9 Deus\"'', em tradu\u00e7\u00e3o literal) numa parede da [[metr\u00f4|esta\u00e7\u00e3o de metr\u00f4]] de [[Islington]].{{citar web|t\u00edtulo=\"Where's Eric Website: Nickname\"|acessodata=17 de fevereiro de 2007|l\u00edngua=ingl\u00eas|url=http://www.whereseric.com/ecfaq/biography-ecs-life-career/clapton-is-god-graffiti-nickname.html|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070217180240/http://www.whereseric.com/ecfaq/biography-ecs-life-career/clapton-is-god-graffiti-nickname.html|arquivodata=2007-02-17|urlmorta=yes}} Clapton, entretanto, achava o ambiente da banda de Mayall confinante e queria tocar num novo grupo.\n\nEm 1966, Clapton encontrou Baker, ent\u00e3o o l\u00edder da [[Graham Bond|Graham Bond Organisation]], a qual, a certo momento, apresentava [[Jack Bruce]] no [[baixo el\u00e9trico|baixo]], [[Harm\u00f3nica (instrumento musical)|gaita]] e [[piano]]. Baker tamb\u00e9m se sentia sufocado no GBO e estava cansado do v\u00edcio em drogas e dos ataques de instabilidade mental de [[Graham Bond]]. \"Eu sempre gostei de Ginger\", explicou Clapton. \"Ginger veio ver-me tocar com John Mayall. Depois da apresenta\u00e7\u00e3o, ele deu-me boleia de volta para [[Londres]] no seu Rover. Eu estava muito impressionado com o seu carro e a sua condu\u00e7\u00e3o. Dizia-me que queria come\u00e7ar uma banda e eu tamb\u00e9m tinha pensado sobre isso.\".{{Citation|\u00faltimo = McDermott|primeiro = John |autorlink =|t\u00edtulo= Strange Brew|jornal= Guitar World magazine|data=novembro de 1997}} Cada um estava impressionado com as habilidades do outro, levando Baker a perguntar a Clapton se ele se queria juntar ao seu novo grupo, ent\u00e3o sem nome. Clapton imediatamente aceitou, com a condi\u00e7\u00e3o de que Baker contratasse Jack Bruce para seu o baixista; de acordo com Clapton, Baker ficou t\u00e3o surpreso com a sugest\u00e3o que quase bateu o carro.{{citar livro|\u00faltimo = Clapton|primeiro = Eric |autorlink = Eric Clapton |t\u00edtulo= Clapton: The Autobiography|publicado= Broadway Books|ano= 2007|local= Nova Iorque, Estados Unidos|p\u00e1ginas= g. 74| isbn = 978-0-385-51851-2}}\n\nClapton teve um encontro com Bruce quando o baixista/vocalista tocou com os [[Bluesbreakers]], em mar\u00e7o de 1966; os dois tamb\u00e9m tinham trabalhado juntos na banda Eric Clapton's Powerhouse (que tamb\u00e9m incluiu [[Steve Winwood]] e [[Paul Jones]]). Impressionado com o vocal e a t\u00e9cnica de Bruce, Clapton queria trabalhar com ele com uma base cont\u00ednua.\n\nO que Clapton n\u00e3o sabia era que enquanto Bruce estava na banda de Bond, ele e Baker eram not\u00f3rios por suas desaven\u00e7as.{{citar web|url=http://classicrock.about.com/od/bandsandartists/p/Cream.htm|t\u00edtulo=Cream|\u00faltimo =White|primeiro =Dave|publicado=[[about.com]]|l\u00edngua=ingl\u00eas|acessodata=27 de junho de 2008}} Apesar de serem ambos excelentes m\u00fasicos de jazz, respeitavam a habilidade um do outro, os limites da GBO provaram-se muito pequenos para seus egos. A sua volatilidade inclu\u00eda brigas no palco e sabotagem de um aos intrumentos do outro. Depois de Baker ter demitido Bruce da banda, Bruce continuou a chegar para apresenta\u00e7\u00f5es; ultimamente, Bruce saindo fora da banda depois de Baker t\u00ea-lo amea\u00e7ado com uma faca. Apesar disso, Baker e Bruce podiam colocar as suas diferen\u00e7as de lado para o bem do novo trio de Baker, o qual ele vislumbrou como colaborativo, com cada um dos membros colaborando para as m\u00fasicas e letras. A banda foi nomeada como \"Cream\", j\u00e1 que Clapton, Bruce e Baker eram j\u00e1 considerados o \"creme da cobertura\" entre m\u00fasicos de blues e [[jazz]] na emergente cena musical do Reino Unido. Depois de decidirem acerca de \"Cream\", a banda considerou serem eles mesmos \"Sweet 'n' Sour Rock 'n' Roll\" (\"Doce e \u00c1cido Rock 'n' Roll\"). Do trio, Clapton tinha a maior fama na [[Inglaterra]]; contudo, era desconhecido nos [[Estados Unidos]], tendo deixado os The Yardbirds antes de ser lan\u00e7ada a can\u00e7\u00e3o \"[[For Your Love]]\", hit no [[Billboard Hot 100|Top Ten Americano]].\n\nCream fez a sua estreia n\u00e3o oficial no [[Twisted Wheel Club|Twisted Wheel]] em 29 de julho de 1966.{{citar livro|\u00faltimo = Clapton|primeiro = Eric|autorlink = Eric Clapton|t\u00edtulo= Clapton: The Autobiography|publicado= Broadway Books|ano= 2007|local= Estados Unidos|p\u00e1ginas= g. 77| isbn = 978-0-385-51851-2}} A estreia oficial veio duas noites depois, no Sexto Anual Festival de Jazz & Blues de Windsor. Sendo novo e com algumas can\u00e7\u00f5es originais, Cream levou a cabo o esp\u00edrito do blues que excitaram a grande multid\u00e3o, ganhando uma recep\u00e7\u00e3o calorosa. Em outubro, a banda tamb\u00e9m teve a chance de fazer um jam com [[Jimi Hendrix]], que tinha recentemente chegado a Londres. Hendrix era um f\u00e3 da m\u00fasica de Clapton e queria uma ter uma oportunidade de tocar com ele no palco. Hendrix foi apresentado \u00e0 banda atrav\u00e9s de Chas Chandler, o baixista dos [[The Animals|Animals]], que era o empres\u00e1rio de Hendrix.\n\nFoi durante a nova forma\u00e7\u00e3o que o grupo decidiu que Bruce seria o vocalista do grupo. Apesar de Clapton ser t\u00edmido para cantar,{{citar v\u00eddeo|pessoas= Erteg\u00fcn, Ahmet|t\u00edtulo= Classic Albums: Cream - Disraeli Gears|medium = DVD|publicado= Eagle Rock Entertainment|data= 2006}} ele, algum tempo depois, pegou o vocal da banda em algumas not\u00e1veis can\u00e7\u00f5es, incluindo \"Four Until Late\",Cream (1966). ''Fresh Cream'' \"Strange Brew\",Cream (1967). ''Disraeli Gears''\n\"Crossroads\",Cream (1968). ''Wheels of Fire'' e \"Badge\".Cream (1969). ''Goodbye'' (1969)\n\n=== ''Fresh Cream'' ===\nO \u00e1lbum de estreia do Cream, ''[[Fresh Cream]]'', foi gravado e lan\u00e7ado em 1966. Atingiu o n\u00famero seis nas listas do Reino Unido e o trinta e nove nos Estados Unidos.{{citar web|url=http://twtd.bluemountains.net.au/cream/fresh.htm|t\u00edtulo=Fresh Cream|\u00faltimo=Pattingale|primeiro=Graeme|data=17 de janeiro de 1999|l\u00edngua=en|acessodata=30 de junho de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080721120359/http://twtd.bluemountains.net.au/cream/fresh.htm|arquivodata=2008-07-21|urlmorta=yes}} \u00c9 principalmente constitu\u00eddo por covers de blues, incluindo \"Four Until Late\", \"[[Rollin' and Tumblin']]\" (escrito por [[Muddy Waters]]), \"[[Spoonful]]\" (escrito por [[Willie Dixon]] e gravado por [[Howlin' Wolf]]), \"[[I'm So Glad]]\" e \"Cat's Squirrel\".\nO resto do \u00e1lbum apresenta can\u00e7\u00f5es escritas ou co-escritas por Jack Bruce, mais notavelmente \"[[I Feel Free]]\" (a qual foi um single no Reino Unido, mas foi apenas inclu\u00eddo na vers\u00e3o americana do LP), e duas por Ginger Baker (uma das quais, \"[[Toad]]\", continha um dos primeiros exemplos de solo de bateria no rock). Ginger Baker tamb\u00e9m colaborou com a ent\u00e3o esposa de Jack Bruce, Janet Godfrey, enquanto escrevia Sweet Wine.\n\nOs primeiros [[bootleg]]s do Cream mostravam uma banda pretendendo mostrar novas can\u00e7\u00f5es. Todas eram razoavelmente pequenas vers\u00f5es de \"N.S.U.\", \"Sweet Wine\" e \"Toad\". Mas apenas dois meses depois, a setlist apresentava m\u00fasicas mais longas.\n\n=== ''Disraeli Gears'' ===\nO Cream visitou pela primeira vez os Estados Unidos em mar\u00e7o de 1967 para tocar em nove datas no RKO Theater, em Nova Iorque. Eles agendaram para gravar ''[[Disraeli Gears]]'' em Nova Iorque entre 11 e 15 de maio de 1967. O segundo \u00e1lbum do Cream foi lan\u00e7ado em novembro de 1967 e atingiu o Top 5 das listas nos dois lados do Atl\u00e2ntico.{{citar web|url=http://twtd.bluemountains.net.au/cream/disraeli.htm|t\u00edtulo=Disraeli Gears|\u00faltimo=Pattingale|primeiro=Graeme|data=19 de novembro de 1998|l\u00edngua=en|acessodata=30 de junho de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080721120857/http://twtd.bluemountains.net.au/cream/disraeli.htm|arquivodata=2008-07-21|urlmorta=yes}}\n Produzido por [[Felix Pappalardi]] (que depois co-fundou o quarteto [[Mountain]], influenciado pelo Cream) e pelo engenheiro [[Tom Dowd]], foi gravado nos [[Atlantic Studios]], em Nova Iorque. ''Disraeli Gears'' \u00e9 frequentemente considerado como sendo um esfor\u00e7o de defini\u00e7\u00e3o da banda, misturando com sucesso o rock psicod\u00e9lico brit\u00e2nico com o blues americano. Tamb\u00e9m foi o primeiro \u00e1lbum do Cream consititu\u00eddo primariamente por can\u00e7\u00f5es originais, com apenas tr\u00eas das onze faixas escritos por pessoas que n\u00e3o eram da banda. ''Disraeli Gears'' n\u00e3o apenas traz hits como \"Strange Brew\" e \"[[Tales of Brave Ulysses]]\", mas tamb\u00e9m \"[[Sunshine of Your Love]]\".\n\nApesar de ser considerado um dos melhores \u00e1lbuns da Cream, ele nunca foi tocado por muito tempo nos sets ao vivo da banda. Apesar das consistentes \"Tales of Brave Ulysses\" e \"Sunshine of Your Love\", uma setlist contendo algumas das can\u00e7\u00f5es de ''Disraeli Gears'' foi rapidamente retirado do set na metade de 1967, favorecendo ao aparecimento de longos jams ao inv\u00e9s de pequenas can\u00e7\u00f5es pop. \"We're Going Wrong\" foi a \u00fanica m\u00fasica adicional para o \u00e1lbum. Nos seus [[Royal Albert Hall London 2 de Maio\u20133\u20135\u20136 2005|shows de reuni\u00e3o em Londres em 2005]], o Cream tocou apenas tr\u00eas can\u00e7\u00f5es do ''Disraeli Gears'': \"Outside Woman Blues,\" \"We're Going Wrong,\" e \"Sunshine of Your Love.\"\n\nEm agosto de 1967, o Cream fez seus primeiros shows amplamente divulgados nos Estados Unidos, tocando no Fillmore West, em San Francisco, pela primeira vez. Os concertos foram um grande sucesso e provaram uma grande influ\u00eancia na banda da cena hippy que o cercava. Encontrando uma nova audi\u00eancia, foi durante essa \u00e9poca que o Cream come\u00e7ou a estender-se no palco, fazendo mais jams, com algumas m\u00fasicas chegando a vinte minutos. Longos jams s\u00e3o encontrados em \"[[Spoonful]]\", \"N.S.U.\" e \"Sweet Wine\" e se tornaram os favoritos de serem tocados ao vivo, enquanto \"Sunshine of Your Love\", \"Crossroads\", e \"Tales of Brave Ulysses\" continuaram razoavelmente curtos.\n\n=== ''Wheels of Fire'' ===\nEm 1968, veio o terceiro \u00e1lbum do Cream, ''[[Wheels of Fire]]'', que chegou ao topo das listas americanas. As grava\u00e7\u00f5es de est\u00fadio de ''Wheels of Fire'' mostraram que o Cream estava movendo-se lentamente para fora do blues em dire\u00e7\u00e3o a um estilo semi-[[rock progressivo]] destacado pelas marcas de tempo e v\u00e1rios instrumentos de orquestra. Entretanto, a banda gravou \"[[Sitting on Top of the World]]\", de Howlin' Wolf e \"[[Born Under A Bad Sign]]\", de Albert King . De acordo com uma entrevista \u00e0 [[BBC]] concedida por Clapton, a gravadora os pediu para fazer um cover de \"[[Born Under a Bad Sign]]\", que se tornara popular . A can\u00e7\u00e3o de abertura \"[[White Room (Cream)|White Room]]\", tornou-se um hit nas r\u00e1dios. Outra m\u00fasica, \"Politician\", foi escrita pela banda esquanto esperavam para fazer uma apresenta\u00e7\u00e3o ao vivo na BBC. O segundo disco do \u00e1lbum apresentava tr\u00eas grava\u00e7\u00f5es ao vivo no Winterland Ballroom e uma no Fillmore. O segundo solo de Eric Clapton em \"[[Cross Road Blues|Crossroads]]\" \u00e9 tido como entre os vinte melhores solos de listas.{{citar web|t\u00edtulo= The 25 Coolest Guitar Solos|obra= RollingStone.com|data= 6 de agosto de 2007| url = http://www.rollingstone.com/rockdaily/index.php/2007/08/06/the-25-coolest-guitar-solos/|acessodata= 19 de agosto de 2008}}{{citar web|t\u00edtulo= The 100 Greatest Guitar Solos|obra= Guitar World Magazine| url = http://guitar.about.com/library/bl100greatest.htm|acessodata= 19 de agosto de 2008}} \"Toad\", escrita por Ginger Baker, \u00e9 agora considerada como um dos melhores solos de bateria ao vivo da hist\u00f3ria do rock.\n\nDepois de ''[[Wheels of Fire]]'' ser completado, na metade de 1968, os membros da banda j\u00e1 estavam cansados e queriam ir cada um para seu caminho. Como Baker diria em uma entrevista em 2006 \u00e0 revista ''Music Mart'', \"Foi apenas chegar \u00e0quele ponto que o Eric me disse: 'Eu j\u00e1 me bastei', e eu disse que eu tamb\u00e9m. Eu n\u00e3o poderia suportar isso. O \u00faltimo ano com o Cream foi agonizante. Ele causou danos permanentes \u00e0 minha audi\u00e7\u00e3o e hoje eu ainda tenho problemas de audi\u00e7\u00e3o por causa do volume que por todo aquele ano no Cream. Mas eu n\u00e3o comecei daquele jeito. Em 1966, era \u00f3timo. Era realmente uma maravilhosa experi\u00eancia musical e aquilo foi para o dom\u00ednio da estupidez\". Al\u00e9m disso, o relacionamente inst\u00e1vel de Bruce e Baker se provou ainda pior como resultado da for\u00e7a para se p\u00f4r a banda em turn\u00eas permanentes, for\u00e7ando Clapton a assumir o papel de pacificador permanente.\n\nClapton tamb\u00e9m caiu na fala do antigo grupo de apoio de [[Bob Dylan]], agora conhecido como [[The Band]], e o seu \u00e1lbum de estreia, ''[[Music from Big Pink]]'', que provou ser as boas-vindas de ar fresco em compara\u00e7\u00e3o ao incenso e \u00e0 psicodelia que envolviam o Cream. Outrossim, ele havia lido uma contundente cr\u00edtica ao Cream na revista ''[[Rolling Stone]]'', uma publica\u00e7\u00e3o que ele muito admirava, em que o cr\u00edtico [[Jon Landau]], chamava-o de \"mestre do clich\u00ea do blues\". Isso estava atr\u00e1s de um artigo em que Clapton admitia que queria acabar com o Cream e perseguir uma dire\u00e7\u00e3o musical diferente.\n\nNo come\u00e7o da turn\u00ea de despedida, em 4 de outubro de 1968, em [[Oakland]], a maior parte do setlist consistia em can\u00e7\u00f5es de ''Wheels of Fire'': \"White Room\", \"Politician\", \"Crossroads\", \"Spoonful\", \"Deserted Cities of the Heart\", e \"Passing the Time\" tomando o lugar de \"Toad\" no solo de bateria. \"Passing the Time\" e \"Deserted Cities\" foram rapidamente removidas e substitu\u00eddas por \"Sitting on Top of the World\" e \"Toad\".\n\n=== ''Goodbye'' ===\nO Cream foi persuadido a fazer um \u00e1lbum final. Aquele \u00e1lbum, apropriadamente chamado de ''[[Goodbye (\u00e1lbum de Cream)|Goodbye]]'' (''Adeus''), foi gravado no final de 1968 e lan\u00e7ado no come\u00e7o do ano seguinte, antes da banda se separar. Ele apresentou seis can\u00e7\u00f5es: tr\u00eas gravadas ao vivo em um show [[The Forum (Inglewood, California)|The Forum]], em Los Angeles, Calif\u00f3rnia, em 19 de outubro e tr\u00eas novas grava\u00e7\u00f5es de est\u00fadio (a mais not\u00e1vel, \"[[Badge]]\", foi escrita por [[Eric Clapton]] e [[George Harrison]], que tamb\u00e9m tocou a guitarra base). \"[[I'm So Glad]]\", que primeiramente apareceu como uma grava\u00e7\u00e3o de est\u00fadio no ''Fresh Cream'', era agora uma faixa ao vivo em ''Goodbye''. Foi a \u00fanica can\u00e7\u00e3o a aparecer no primeiro e tamb\u00e9m no \u00faltimo \u00e1lbum do Cream.\n\nA \"turn\u00ea de despedida\" do Cream consistiu de vinte e dois shows em dezenove locais nos Estados Unidos entre 4 de outubro e 4 de novembro de 1968 e dois concertos finais de despedida no [[Royal Albert Hall]] em 26 de novembro de 1968. Inicialmente, outro \u00e1lbum duplo estava planejado trazendo material ao vivo dessa turn\u00ea, mais novas faixas de est\u00fadio e mais um \u00e1lbum simples, ''Goodbye''. A apresenta\u00e7\u00e3o final ocorreu no [[Rhode Island Auditorium]], em 4 de novembro de 1968.\n\nOs dois concertos do [[Royal Albert Hall]] foram filmados para um document\u00e1rio da [[BBC]] e lan\u00e7ados em v\u00eddeo (e depois DVD) como [[Cream's Farewell Concert|Farewell Concert]]. Ambos os shows tiveram as entradas esgotadas e atra\u00edram mais aten\u00e7\u00e3o que qualquer outro concerto do Cream, mas a sua performance foi considerada por muitos como abaixo do padr\u00e3o. Baker disse dos concertos: \"N\u00e3o foi uma boa apresenta\u00e7\u00e3o... O Cream era melhor que aquilo... N\u00f3s sab\u00edamos que estava tudo acabado. N\u00f3s sab\u00edamos que n\u00f3s est\u00e1vamos apenas finalizando tudo aquilo, acabando com aquilo\". As performances ao vivo do Cream j\u00e1 estavam declinando. Em uma entrevista do ''Cream: Classic Artists'', Ginger Baker concordou que a banda estava piorando a cada minuto.{{citar web|url=http://twtd.bluemountains.net.au/cream/bootlegguide.htm|t\u00edtulo=A Guide to the Bootlegs|\u00faltimo=Pattingale|primeiro=Graeme|ano=2002|l\u00edngua=en|acessodata=30 de junho de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20020107235630/http://twtd.bluemountains.net.au/cream/bootlegguide.htm|arquivodata=2002-01-07|urlmorta=yes}}\n\nOs atos que se apoiaram no Cream foram [[Taste]] (apresentando um jovem [[Rory Gallagher]]) e a rec\u00e9m formada [[Yes (banda)|Yes]], que recebeu boas cr\u00edticas. Tr\u00eas apresenta\u00e7\u00f5es antes de shows do Cream na turn\u00ea de encerramento foram feitas pela [[Deep Purple]]. Purple tinha originalmente concordado em abrir todos os shows nos [[Estados Unidos]], mas o empres\u00e1rio do Cream tirou a Purple depois de tr\u00eas shows, apesar de cr\u00edticas favor\u00e1veis e uma boa harmonia entre as bandas.http://books.google.com/books?id=LzzCw6xs9roC\n\n===O fim da banda===\nDesde a sua cria\u00e7\u00e3o, o Cream enfrentava alguns problemas fundamentais que depois se tornariam capitais para a sua dissolu\u00e7\u00e3o, em novembro de 1968. A rivalidade entre Bruce e Baker criava tens\u00f5es na banda. Clapton tamb\u00e9m sentia que os membros da banda n\u00e3o deveriam ouvir muito os outros. Clapton certa vez contou uma hist\u00f3ria que quando o Cream estava tocando em um concerto, ele parou de tocar e nem Baker nem Bruce perceberam! Clapton tamb\u00e9m comentou que as \u00faltimas apresenta\u00e7\u00f5es do Cream consistiam principalmente em seus membros se exibirem.{{citar web|url=http://www.spinner.com/2007/10/08/eric-clapton-chronicles-music-addiction-and-romance-in-new-book/|t\u00edtulo=Eric Clapton Chronicles Music, Addiction and Romance in New Book|\u00faltimo =Clapton|primeiro =Eric|data=8 de outubro de 2007|obra=Clapton: The Autobiography|publicado=[[spinner.com]]|l\u00edngua=en|acessodata=8 de novembro de 2008}} A banda decidiu que se desfaria em maio de 1968, durante uma turn\u00ea nos Estados Unidos. Mais tarde, em julho, foi feito um an\u00fancio oficial de que a banda acabaria depois de uma derradeira turn\u00ea nos Estados Unidos e depois de fazer dois concertos em [[Londres]]. O Cream encerrou sua turn\u00ea nos Estados Unidos em 4 de novembro, tocando em [[Rhode Island]] e se apresentou pela \u00faltima vez no Reino Unido em 25 e 26 de novembro.{{citar web|url=http://www.cream2005.com/theband_farewell.lasso|t\u00edtulo=The Farewell|\u00faltimo=Welch|primeiro=Chris|data=4 de agosto de 2005|l\u00edngua=en|acessodata=28 de junho de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080516101008/http://www.cream2005.com/theband_farewell.lasso|arquivodata=2008-05-16|urlmorta=yes}}\n\n== P\u00f3s-Cream ==\nA banda [[Blind Faith]] foi formada imediatamente ap\u00f3s o fim da Cream. Ela partiu de uma tentativa de Eric Clapton de recrutar [[Steve Winwood]] ao grupo, na expectativa de que ele ajudaria como um amortecedor entre Bruce e Baker. Posteriormente, Eric foi tocar em bandas com menos improvisa\u00e7\u00f5es musicais e baseadas em can\u00e7\u00f5es, como eram [[Delaney, Bonnie & Friends|Delaney & Bonnie]], [[Derek and the Dominos]] e a sua pr\u00f3pria longa e variada carreira solo.\n\n[[Jack Bruce]] come\u00e7ou uma variada e bem-sucedida carreira solo em 1969 com o lan\u00e7amento de ''[[Songs for a Tailor]]'', enquanto [[Ginger Baker]] formou um conjunto de jazz-fusion chamado Ginger Baker's Air Force, que apresentava Winwood, o baixista da Blind Faith [[Rick Grech]], Graham Bond no sax e o guitarrista [[Denny Laine]] da [[Moody Blues]] e depois da [[Wings (banda)|Wings]].\n\n== Reuni\u00f5es ==\n===Rock and Roll Hall of Fame===\nEm 1993, o Cream foi introduzido na [[Rock and Roll Hall of Fame]] e colocou de lado as suas diferen\u00e7as para se apresentar na cerim\u00f4nia de posse.{{citar web|url=http://www.rockhall.com/inductee/cream|t\u00edtulo=Cream|publicado=Rock and Roll Hall of Fame|l\u00edngua=en|acessodata=26 de junho de 2008|arquivourl=https://web.archive.org/web/20080220105943/http://www.rockhall.com/inductee/cream|arquivodata=2008-02-20|urlmorta=yes}} Inicialmente o trio estava cauteloso sobre o concerto, at\u00e9 que foram encorajados pelas palavras de [[Robbie Robertson]]. O resultado final foi um set incendi\u00e1rio constitu\u00eddo por \"Sunshine of Your Love\", \"Crossroads\", e \"Born Under a Bad Sign\" - curiosamente, a banda nunca havia tocada esta can\u00e7\u00e3o ao vivo durante a sua fase original. Clapton mencionou no seu discurso de aceita\u00e7\u00e3o que o seu ensaio no dia anterior ao da apresenta\u00e7\u00e3o marcou a primeira vez que tocaram juntos em vinte e cinco anos. Esta apresenta\u00e7\u00e3o gerou rumores de que haveria uma turn\u00ea de reuni\u00e3o da banda. Bruce e Baker foram admitir em entrevistas posteriores que estavam, de fato, interessados em excursionar com o Cream. Uma reuni\u00e3o formal n\u00e3o ocorreu imediatamente, j\u00e1 que Clapton, Bruce e Baker continuaram projetos na suas carreiras solo, apesar de que estes trabalhariam juntos novamente na metade dos [[anos 1990]] formando o power trio [[BBM (banda)|BBM]] com o guitarrista [[irland\u00eas]] de [[blues-rock]] [[Gary Moore]].\n\n===2005===\nEm 2004, foi anunciado oficialmente que o Cream finalmente se reuniria para uma s\u00e9rie de quatro apresenta\u00e7\u00f5es, em 2, 3, 5 e 6 de maio de 2005, no Royal Albert Hall, em [[Londres]], o local dos seus shows finais em 1968. O mais surpreendente foi que a reuni\u00e3o veio pelo pedido de Clapton: apesar de os tr\u00eas m\u00fasicos escolherem n\u00e3o falar publicamente sobre os shows, Clapton depois diria que ele tronou-se mais \"generoso\" em considera\u00e7\u00e3o ao seu passado, e que a sa\u00fade f\u00edsica de Bruce e Baker foi o maior fator: Bruce tinha recentemente passado por um transplante de [[f\u00edgado]] por causa de um c\u00e2ncer de f\u00edgado, e quase perdeu a sua vida, enquanto Baker teve uma [[artrite]] severa.\n\nAs performances foram gravadas para um CD e um DVD ao vivo. Na plateia, estavam [[Paul McCartney]] e [[Ringo Starr]], [[Steve Winwood]], [[Roger Waters]], [[Brian May]] do [[Queen (banda)|Queen]], [[Jimmy Page]] do [[Led Zeppelin]], [[John Frusciante]] e tamb\u00e9m [[Mick Taylor]] e [[Bill Wyman]], ex-integrantes dos [[the Rolling Stones|Rolling Stones]]. A reuni\u00e3o marcou a primeira vez que a banda tocou \"[[Badge (can\u00e7\u00e3o)|Badge]]\" e \"[[Pressed Rat and Warthog]]\" ao vivo.\n\nA reuni\u00e3o no Royal Albert Hall provou um sucesso em n\u00edvel tanto pessoal quanto financeiro, inspirando a banda a se apresentar nos Estados Unidos. Por raz\u00f5es desconhecidas, o Cream escolheu tocar em apenas um local, o [[Madison Square Garden]] em [[Nova Iorque]], de 24 a 26 de outubro de 2005.\n\nF\u00e3s da banda esperaram por uma turn\u00ea maior, mas ela n\u00e3o se confirmou. Em uma entrevista com Jack Bruce em dezembro de 2005, veiculada pela revista ''Bass Player'', o baixista insinuou que gostaria de ver o Cream continuando em um caminho ou outro, possivelmente na forma de um novo \u00e1lbum, mas aquela turn\u00ea estava fora de quest\u00e3o: \"Seria um consider\u00e1vel desafio tentar criar m\u00fasicas que enfrentassem as can\u00e7\u00f5es cl\u00e1ssicas. Eu j\u00e1 tenho algumas ideias - de fato, eu escrevi uma can\u00e7\u00e3o ontem que eu penso que funcionar\u00e1. Eu s\u00f3 n\u00e3o sei se isso acontecer\u00e1, porque n\u00f3s todos sentimos que a banda \u00e9 t\u00e3o especial que n\u00e3o queremos fazer isso t\u00e3o frequentemente, se continuarmos. N\u00f3s tivemos ofertas que voc\u00ea n\u00e3o acreditaria - eu n\u00e3o acredito - para longas turn\u00eas pelo mundo, e elas s\u00e3o tentadoras. Mas nenhum de n\u00f3s quer aceit\u00e1-las, porque isso retiraria a natureza rara e especial de ficar juntos. Eu gostaria de fazer isso agora e novamente e apenas tocar em algum lugar, mas n\u00f3s n\u00e3o conseguir\u00edamos fazer um \u00e1lbum entre isso, e eu vou sugerir isso...\"\n\n=== 2006-presente ===\nEm fevereiro de 2006, o Cream recebeu um [[Grammy Lifetime Achievement Award]] em reconhecimento pela sua contribui\u00e7\u00e3o e influ\u00eancia sobre a m\u00fasica moderna. Naquele mesmo m\u00eas, um DVD \"Classic Albums\" foi lan\u00e7ado detalhando a hist\u00f3ria por tr\u00e1s da cria\u00e7\u00e3o e da grava\u00e7\u00e3o de ''Disraeli Gears''. Na v\u00e9spera da cerim\u00f4nia do Grammy, Bruce confirmou publicamente que mais apresenta\u00e7\u00f5es do Cream haviam sido planejadas: m\u00faltiplas datas em algumas cidades, com shows similares aos de Royal Albert Hall e de Madison Square Garden. Entretanto, a hist\u00f3ria foi negada por Clapton e Baker, primeiramente por esse em um artigo no ''[[The Times|Times]]'' de abril de 2006. O artigo relatava que quando perguntado sobre o Cream, Clapton disse: \"N\u00e3o. N\u00e3o por mim. N\u00f3s fizemos isso e foi divertido. Mas a vida \u00e9 muito curta e eu tenho muitas outras coisas que eu preferiria fazer, incluindo ficar em casa com os meus filhos. A coisa sobre a banda, ele fala, foi que isso foi tudo feito com seus limites...foi uma experi\u00eancia\". Em uma entrevista a revista de m\u00fasica brit\u00e2nica ''Music Mart'', sobre o lan\u00e7amento de um DVD sobre a apresenta\u00e7\u00e3o da [[Blind Faith]] em [[Hyde Park]] em 1969, Baker comentou sobre a sua indisponibilidade de continuar com a reuni\u00e3o do Cream. Esses coment\u00e1rios foram mais espec\u00edficos e explosivos do que os de Clapton, assim como mais centrado nas rela\u00e7\u00f5es com Jack Bruce. Ginger falou, \"Quando ele \u00e9 o [[Dr. Jekyll]] ele \u00e9 bom... \u00c9 quando ele \u00e9 o Mr. Hyde que ele n\u00e3o \u00e9. E eu estou com medo que ele ainda seja o mesmo. Eu vou contar para voc\u00ea isso - n\u00e3o haver\u00e1 nunca mais apresenta\u00e7\u00f5es do Cream, porque ele foi o Mr. Hyde em Nova Iorque no ano passado.\"\n\nQuando questionado para que elaborasse, Baker replicou: \"Oh, ele gritou comigo no palco, ele colocou seu baixo t\u00e3o alto que me atordoou na primeira apresenta\u00e7\u00e3o. O que ele faz \u00e9 que ele se desculpa e se desculpa, mas eu estou com medo, para fazer isso em uma apresenta\u00e7\u00e3o da reuni\u00e3o do Cream, aquele foi o fim. Ele matou a m\u00e1gica, e Nova Iorque foi como 1968... Foi s\u00f3 um terminar a apresenta\u00e7\u00e3o, pegar o dinheiro num tipo de neg\u00f3cio. Eu estava absolutamente assombrado. Eu digo, ele demonstrou por que ele foi tirado da Graham Bond e por que o Cream n\u00e3o durou muito no palco em Nova Iorque. Eu n\u00e3o queria fazer isso em primeiro lugar simplesmente por causa de como Jack estava. Eu tinha trabalhado com ele algumas vezes desde o Cream, e eu prometi a mim mesmo que e nunca mais trabalharia com ele novamente. Quando Eric primeiramente veio com a ideia, eu disse n\u00e3o, e ent\u00e3o ele me telefonou e afinal me convenceu a fazer isso. Eu estava no meu melhor comportamento e fiz de tudo que eu poderia fazer as coisas irem t\u00e3o calmas quanto o poss\u00edvel, e eu estava realmente simp\u00e1tico para com Jack.\"{{citar web|url=http://six.pairlist.net/pipermail/slowhand/2006/009492.html|t\u00edtulo=Ginger Baker Interview|publicado=Slowhand|l\u00edngua=en|acessodata=12 de agosto de 2009}}\n\nEm 25 de outubro de 2014, foi anunciada a morte do baixista Jack Bruce, aos 71 anos.\n\n== Integrantes ==\n* [[Eric Clapton]] (30 de mar\u00e7o de 1945 \u2013) - [[guitarra]]\n* [[Jack Bruce]] (14 de maio de 1943 \u2013 25 de outubro de 2014) - [[baixo]] e [[vocal]]\n* [[Ginger Baker]] (19 de agosto de 1939 \u2013 6 de outubro de 2019) - [[bateria (instrumento musical)|bateria e voz]]\n\n== Discografia ==\n{{AP|Discografia de Cream}}\n* ''[[Fresh Cream]]'' (1966)\n* ''[[Disraeli Gears]]'' (1967)\n* ''[[Wheels of Fire]]'' (1968)\n* ''[[Goodbye (\u00e1lbum de Cream)|Goodbye]]'' (1969)\n\n== Pr\u00eamios e Honras ==\n* O programa [[Extrato MTV]] considerou Cream o melhor [[Power trio|Power Trio]] da hist\u00f3ria. \n\n{{Refer\u00eancias}}\n{{Cream}}\n{{Grammy Lifetime Achievement Award}}\n{{Portal3|Arte|M\u00fasica|Rock|Reino Unido}}\n\n[[Categoria:Bandas de blues rock]]\n[[Categoria:Bandas de rock psicod\u00e9lico]]\n[[Categoria:Bandas da Inglaterra]]\n[[Categoria:Supergrupos]]\n[[Categoria:Trios musicais]]\n[[Categoria:Bandas formadas em 1966]]\n[[Categoria:Vencedores do Grammy Lifetime Achievement Award]]\n[[Categoria:Cream| ]]\n[[Categoria:Artistas inclu\u00eddos no Rock and Roll Hall of Fame]]"}],"images":[{"ns":6,"title":"Ficheiro:Cream Clapton Bruce Baker 1960s.jpg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Flag of the United Kingdom (3-5).svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:GClef.svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Guitar 1.svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Magnifying glass 01.svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Nuvola apps package graphics.png"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Question book-new.svg"}]},"4121206":{"pageid":4121206,"ns":0,"title":"Antilhas Neerlandesas nos Jogos Pan-Americanos de 1999","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Infobox Pan Netherlands Antilles\n|jogos=de 1999\n|competidores=\n|dirigentes=\n|esportes=\n|bandeira=\n|ouro= 1\n|prata= 0\n|bronze= 0\n|total=1\n|posi\u00e7\u00e3o= 18\u00ba\n}}\n\nA '''[[Antilhas Neerlandesas]]''' competiu nos [[Jogos Pan-Americanos de 1999]], em [[Winnipeg]], no [[Canad\u00e1]]Quadro de medalhas. Dispon\u00edvel em Acesso em 29 de agosto de 2013.\n\n==Ver tamb\u00e9m==\n\n* [[Antilhas Neerlandesas nos Jogos Pan-Americanos]]\n* [[Antilhas Neerlandesas nos Jogos Ol\u00edmpicos]]\n\n{{Refer\u00eancias}}\n{{CONnoPan1999}}\n{{esbo\u00e7o-desporto}}\n\n\n[[Categoria:Pa\u00edses nos Jogos Pan-Americanos de 1999]]\n[[Categoria:Antilhas Neerlandesas nos Jogos Pan-Americanos|1999]]\n{{Portal3|Eventos multiesportivos}}"}]},"1365453":{"pageid":1365453,"ns":0,"title":"Diant","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Info/Comuna da Fran\u00e7a\n|nome = Diant\n|regi\u00e3o = \u00cele-de-France\n|departamento = Seine-et-Marne\n|\u00e1rea = 11\n|altitude = \n|latP = N\n|latG = 48 \n|latM = 17 \n|latS = \n|lonP = L\n|lonG = 2 \n|lonM = 59 \n|lonS = \n|popula\u00e7\u00e3o = 198\n|densidade = auto\n|censo = 1990\n|insee = 77158\n|insee_ref = s\n|c\u00f3dpostal = 77940\n|mapa = \n|escudo =\n|bandeira = \n|imagem = La pierre aux couteaux.JPG\n|legenda = \n|gent\u00edlico =\n|website =\n|notas =\n}}\n'''Diant''' \u00e9 uma [[comuna francesa]] localizada na [[Regi\u00f5es administrativas francesas|regi\u00e3o administrativa]] da [[Ilha de Fran\u00e7a|\u00cele-de-France]], no [[Departamentos franceses|departamento]] [[Sena e Marne]]. A comuna possui 198 habitantes segundo o [[censo]] de 1990.{{citar web|url=http://www.recensement.insee.fr/searchResults.action?zoneSearchField=&codeZone=77158-COM|t\u00edtulo=R\u00e9sultats du recensement de la population - 2008|autor=|data=|publicado=Recensement INSEE|acessodata=10 de agosto de 2012|l\u00edngua2=fr|arquivourl=https://web.archive.org/web/20121016170119/http://recensement.insee.fr/searchResults.action?zoneSearchField=&codeZone=77158-COM|arquivodata=2012-10-16|urlmorta=yes}}{{citar web|url=http://www.recensement.insee.fr/chiffresCles.action?zoneSearchField=&codeZone=77158-COM&idTheme=3|t\u00edtulo=R\u00e9sultats du recensement de la population - 2008 Population; Indicateurs d\u00e9mographiques|autor=|data=|publicado=Recensement INSEE|acessodata=10 de agosto de 2012|l\u00edngua2=fr}}{{Liga\u00e7\u00e3o inativa|1={{subst:DATA}} }}{{citar web|url=http://www.insee.fr/fr/ppp/bases-de-donnees/recensement/populations-legales/commune.asp?depcom=77158|t\u00edtulo=Populations l\u00e9gales 2008 de la commune|autor=|data=|publicado=INSEE|acessodata=10 de agosto de 2012|l\u00edngua2=fr}}{{citar web|url=http://www.amf.asso.fr/annuaire/index.asp?refer=commune&dep_n_id=33&NUM_INSEE=77158|t\u00edtulo=Annuaire des communes et epci de france|autor=|data=|publicado=Association des Maires de France|acessodata=10 de agosto de 2012|l\u00edngua2=fr}}\n\n{{refer\u00eancias}}\n\n{{esbo\u00e7o-geofr}}\n{{Portal3|Fran\u00e7a|Geografia}}\n\n[[Categoria:Comunas de Sena e Marne]]"}],"images":[{"ns":6,"title":"Ficheiro:Blason France moderne.svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Blason d\u00e9partement fr Seine-et-Marne.svg"},{"ns":6,"title":"Ficheiro:Disc Plain red (edge).svg"}]},"1494875":{"pageid":1494875,"ns":0,"title":"Remasteriza\u00e7\u00e3o","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"'''Remasteriza\u00e7\u00e3o''' refere-se \u00e0 uma melhora da qualidade do som ou da imagem, ou dos dois, de m\u00eddias de entretenimento criadas anteriormente, sejam elas audiof\u00f4nicas, cinematogr\u00e1ficas ou videogr\u00e1ficas.\n\n== Remasteriza\u00e7\u00e3o ==\nRemasteriza\u00e7\u00e3o \u00e9 o processo de criar um novo ''master'' para uma m\u00fasica, filme, jogo eletr\u00f4nico ou qualquer outra cria\u00e7\u00e3o. A era moderna oferece as publicadoras maneiras quase ilimitadas de melhorar suas m\u00eddias de entretenimento, e cada lan\u00e7amento promete melhores em som, v\u00eddeo e outros. Os produtores esperam que essas atualiza\u00e7\u00f5es atraiam pessoas a refazerem a compra, ou que atraiam novos consumidores a consumirem m\u00eddias antigas com melhor qualidade.{{Citar web|titulo=Remasteriza\u00e7\u00e3o|url=https://super.abril.com.br/tecnologia/remasterizacao/|obra=Super|acessodata=2020-07-04|lingua=pt-BR}}{{Citar web|titulo=Remakes e Remasteriza\u00e7\u00f5es: Capitalizando a Nostalgia?|url=https://viciados.net/remakes-remasterizacoes-capitalizando-nostalgia/|obra=Viciados|data=2020-06-25|acessodata=2020-07-04|lingua=pt-BR|ultimo=Irmandade Nerd Podcast}}{{Citar web|titulo=Bon Jovi anuncia chegada do clipe remasterizado de \"This Ain't a Love Song\"|url=https://www.radiorock.com.br/2020/06/26/bon-jovi-anuncia-chegada-clipe-remasterizado-de-aint-love-song/|obra=A R\u00e1dio Rock - 89,1 FM - SP|data=2020-06-26|acessodata=2020-07-04|lingua=pt-br|primeiro=Lucas Tavares-Front End / Adriano Franco- Back|ultimo=End}}{{Citar web|titulo=Activision diz que mais remasteriza\u00e7\u00f5es est\u00e3o previstas para 2020|url=https://www.voxel.com.br/noticias/activision-diz-remasterizacoes-previstas-2020_847365.htm|obra=Voxel|data=2020-02-08|acessodata=2020-07-04|lingua=pt-br}}\n\n== Ver tamb\u00e9m ==\n*[[Refilmagem]] \n*[[Recria\u00e7\u00e3o de jogo eletr\u00f4nico]]\n*[[Masteriza\u00e7\u00e3o de \u00e1udio]]\n{{notas |group=nota |refs=\n''Master'' \u00e9 a vers\u00e3o definitiva da m\u00eddia de entretenimento que ser\u00e1 usada pelo usu\u00e1rio final, geralmente discos, LPs, CDs, DVDs etc.\n\n}}\n{{Refer\u00eancias|col=2}}\n\n[[Categoria:Engenharia de \u00e1udio]]\n[[Categoria:Terminologia de jogos eletr\u00f4nicos]]\n[[Categoria:Desenvolvimento de jogos eletr\u00f4nicos]]"}]},"6844689":{"pageid":6844689,"ns":0,"title":"Schwere Panzer-Abteilung 502","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Info/Unidade Militar|imagem=502nd heavy tank battalion insignia.svg|periodo_atividade=25 de maio de 1942 - 9 de maio de 1945|guerras/batalhas=[[Segunda Guerra Mundial]]\n*[[Frente Oriental (Segunda Guerra Mundial)|Frente Oriental]]\n*[[Frente de Leningrado]]|fidelidade={{flag|Alemanha Nazista}}|tipo_unidade=Tanques pesados|subordina\u00e7\u00e3o=[[Ficheiro:Balkenkreuz.svg|24px]] [[Wehrmacht#Ex\u00e9rcito|Ex\u00e9rcito]]|mascote=Mamute|log\u00edstica1=3 companhias: 45 tanques Tiger no total|legenda_log\u00edstica1=Efetivo|log\u00edstica2=[[Tiger I]], [[Tiger II]] e [[Panzer III]]|legenda_log\u00edstica2=Equipamento|comandantes_not\u00e1veis=[[Otto Carius]]
[[Johannes B\u00f6lter]]
[[Alfredo Carpaneto]]}}\n\nO '''Schwere Panzer-Abteilung 502''' foi um batalh\u00e3o de tanques alem\u00e3o de opera\u00e7\u00e3o independente na [[Segunda Guerra Mundial]]. O batalh\u00e3o foi a primeira unidade a ser equipada com tanques pesados do tipo [[Panzerkampfwagen VI Tiger|Tiger I]] ou ''Panzerkampfwagen VI Ausf.'' ''E''. A unidade esteve ativa na guerra contra a [[Uni\u00e3o Sovi\u00e9tica]] na [[Frente Oriental (Segunda Guerra Mundial)|Frente Oriental]], e foi um dos batalh\u00f5es de tanques pesados alem\u00e3es de maior sucesso, destruindo 1.400 tanques inimigos e 2.000 canh\u00f5es.\n\n== Forma\u00e7\u00e3o ==\n[[Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_146-1981-071-07A,_Russland,_Panzer_VI_\"Tiger_I\".jpg|miniaturadaimagem| Panzer VI \"Tiger I\" do Schwere Panzer-Abteilung 502 perto de [[Cerco a Leninegrado|Leningrado]].]]\nEm 25 de maio de 1942, o 502\u00ba foi formado a partir do ''Panzer-Ersatz-Abteilung 35'' em [[Bamberg]]. Em 23 de julho, [[Adolf Hitler|Hitler]] deu a ordem de enviar os primeiros tanques Tiger I para a [[Frente de Leningrado]]. O 502\u00ba foi a primeira unidade a receber o Tiger I. Doyle and Jentz. Tiger I Heavy Tank, p. 21 Quatro Tiger I foram entregues em 19 e 20 de agosto de 1942. A unidade, agora equipada com o tanque mais pesado da \u00e9poca, passou a ter um decalque com um [[mamute]]. Em 29 de agosto de 1942, o 502\u00ba chegou \u00e0 Frente de Leningrado, mas n\u00e3o foi imediatamente usado nos combates.\n\n== Opera\u00e7\u00f5es ==\n\n=== Tiger I ===\n[[Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_101I-461-0213-34,_Russland,_Panzer_VI_(Tiger_I)_wird_aufmunitioniert.jpg|miniaturadaimagem| Um Tiger I do 502\u00ba perto do [[Lago Ladoga]] em agosto de 1943.]]\nEm 16 de setembro de 1942, o Tiger I foi desdobrado pela primeira vez em combate ao sul do [[Lago Ladoga]], perto de [[S\u00e3o Petersburgo|Leningrado]].Klages, p. 4 Em 22 de setembro, ao atravessar uma estrada, um Tiger ficou atolado na lama. Devido ao fogo inimigo, ele n\u00e3o p\u00f4de ser recuperado, embora v\u00e1rias tentativas tenham sido feitas. Em 25 de novembro, o tanque foi destru\u00eddo para evitar que ca\u00edsse em m\u00e3os inimigas. Esta foi a primeira perda de um tanque Tiger.Doyle and Jentz. Tiger I Heavy Tank, p. 21 Em 25 de setembro, v\u00e1rios novos Tigers e [[Panzerkampfwagen III|Panzers III]] chegaram. Todos estes foram utilizados para equipar a 1\u00aa Companhia. Em fevereiro de 1943, v\u00e1rios Tigers foram entregues para substituir os tanques perdidos.\n\nEm 14 de janeiro de 1943, tropas sovi\u00e9ticas capturaram um Tiger perto de Leningrado durante a Opera\u00e7\u00e3o Spark. Outro exemplar deste tanque de \u00faltima gera\u00e7\u00e3o foi capturado alguns dias depois. Ambos os Tigers foram transferidos para as instala\u00e7\u00f5es de tanques experimentais em Kubinka, onde foram minuciosamente analisados. O [[Ex\u00e9rcito Vermelho]] foi ent\u00e3o capaz de desenvolver estrat\u00e9gias para lutar de forma mais eficaz contra as unidades equipadas com esse tanque.\n\nEm 1\u00ba de abril de 1943 foram formadas as 2\u00aa e 3\u00aa companhias. Na segunda quinzena de maio, 31 Tigers foram enviados para a unidade, trazendo o batalh\u00e3o \u00e0 for\u00e7a de combate estabelecida. Em junho de 1943, devido a mudan\u00e7as na organiza\u00e7\u00e3o dos batalh\u00f5es de tanques pesados, a 1\u00aa Companhia foi totalmente equipada com Tigers em vez de uma mistura de Tigers e Panzers III.\n\nO 502\u00ba travou batalhas defensivas na [[Frente Oriental (Segunda Guerra Mundial)|Frente Oriental]] em 1943 e 1944. Ele operou em torno do Lago Ladoga de julho a setembro de 1943.Schneider pp. 76\u201377 E Newel perto da [[Bielorr\u00fassia]] durante novembro e dezembro de 1943, para cobrir a retirada das tropas alem\u00e3s da \u00e1rea de [[S\u00e3o Petersburgo|Leningrado]]. O 502\u00ba defendeu [[Narva]], na [[Est\u00f3nia|Est\u00f4nia]], de fevereiro a abril de 1944.Schneider pp. 79\u201381 O 502\u00ba lutou em [[Pskov]],Schneider pp. 81\u201382 em abril e maio de 1944 e em torno de [[Dunaburgo]], na [[Let\u00f3nia|Let\u00f4nia]], em julho.Schneider pp. 82\u201383Carius Tiger in the Mud\n\n=== Tigre II ===\nO 502\u00ba recebeu apenas v\u00e1rios [[Panzerkampfwagen VI Tiger II|Tiger II]]. Os \u00faltimos 13 tanques Tiger II constru\u00eddos foram recolhidos diretamente da f\u00e1brica pelo pessoal da 3\u00aa Companhia do 510\u00ba e 3\u00aa Companhia do 502\u00ba em 31 de mar\u00e7o de 1945.Doyle en Jentz. Kingtiger Heavy Tank, p. 39 O 502\u00ba recebeu oito Tiger II e estes entraram em combate em 1\u00ba de abril de 1945.\n\n== Renomeado para 511 ==\nEm 5 de janeiro de 1945, o 502\u00ba foi renomeado para 511\u00ba. Devido \u00e0 falta de carros Tiger II, o batalh\u00e3o foi equipado com uma mistura de tanques Tiger I, Tiger II e ca\u00e7a-tanques Hetzer. Lutou na Frente Oriental at\u00e9 27 de abril, ap\u00f3s o qual o batalh\u00e3o foi dissolvido. Em 9 de maio rendeu-se ao [[Ex\u00e9rcito Vermelho]]. A essa altura, o batalh\u00e3o tinha 105 Tiger I e oito Tiger IISchneider, p. 112, alegando a destrui\u00e7\u00e3o de 1.400 tanquesKlages, p. 9 e 2.000 canh\u00f5es.Schneider, p. 92\n\n== Comandantes de Tanques de Sucesso ==\n\n* [[Otto Carius]] (supostamente destruiu mais de 150 tanques, o n\u00famero exato \u00e9 desconhecido).\n* [[Johannes B\u00f6lter]] (supostamente destruiu mais de 139 tanques, o n\u00famero exato \u00e9 desconhecido).\n* Albert Kerscher (supostamente destruiu mais de 100 tanques, o n\u00famero exato \u00e9 desconhecido).\n* [[Alfredo Carpaneto]] (supostamente destruiu mais de 50 tanques, o n\u00famero exato \u00e9 desconhecido).http://www.axishistory.com/books/153-germany-heer/heer-other-units/4503-schwere-panzer-abteilung-502\n* Heinz Kramer (supostamente destru\u00eddo mais de 50 tanques, n\u00famero exato desconhecido).\n* Johann Muller (supostamente destruiu mais de 50 tanques, o n\u00famero exato \u00e9 desconhecido).\n\n== Comandantes ==\n[[Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_101I-698-0038-04,_Russland-Nord,_Panzer_VI_(Tiger_I).jpg|miniaturadaimagem| Tiger 231, o primeiro tanque do 3\u00ba Pelot\u00e3o da 2\u00aa Companhia em junho de 1943.]]\n\n* ''Major'' Richard M\u00e4rker (agosto - novembro de 1942)\n* ''Hauptmann'' Arthur Wollschl\u00e4ger (novembro de 1942 - fevereiro de 1943)\n* ''Major'' Richter (fevereiro - julho de 1943)\n* ''Hauptmann'' Friedrich Schmidt (julho \u2013 agosto de 1943)\n* ''Hauptmann'' Lange (agosto - outubro de 1943)\n* ''Major'' Willy J\u00e4hde (outubro de 1943 - mar\u00e7o de 1944)\n* ''Major'' Hans-Joachim Schwaner (abril - agosto de 1944)\n* ''Hauptmann'' Ferdinand von Foerster (agosto de 1944 - abril de 1945)\n\n== Ver tamb\u00e9m ==\n\n* [[Otto Carius]]\n* [[Panzerkampfwagen III]]\n* [[Panzerkampfwagen VI Tiger]]\n* [[Panzerkampfwagen VI Tiger II]]\n\n== Refer\u00eancias ==\n[[Categoria:Unidades e forma\u00e7\u00f5es militares da Alemanha na Segunda Guerra Mundial]]\n\n\n== Bibliografia ==\n\n* {{Citar livro|url=https://www.google.com.br/books/edition/Kingtiger_Heavy_Tank_1942_45/X9g5vgAACAAJ?hl=en|t\u00edtulo=Kingtiger Heavy Tank 1942\u201345|ultimo=Jentz|primeiro=Tom|ultimo2=Doyle|primeiro2=Hilary|editora=[[Osprey Publishing]]|outros=Ilustra\u00e7\u00e3o de Peter Sarson|ano=1993|series=New Vanguard|local=Oxford|p\u00e1ginas=48|lingua=en|isbn=978-1855322820}}\n* {{Citar livro|url=https://books.google.com.br/books/about/Tigers_in_Combat.html?id=LDGo89qbjyMC&redir_esc=y|t\u00edtulo=Tigers in Combat, Vol. 1|ultimo=Schneider|primeiro=Wolfgang|editora=Stackpole Books|ano=2004|local=Guilford, Connecticut|p\u00e1ginas=416|lingua=en|isbn=978-0811731713}}"}]},"5355980":{"pageid":5355980,"ns":0,"title":"Museu da Finl\u00e2ndia Central","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{Info/Museu|nome=Museu da Finl\u00e2ndia Central|nome_nativo=Keski-Suomen museo|imagem=Keski-Suomen museo 2019.jpg|imagesize=250px|imagem_legenda=Vis\u00e3o externa do edif\u00edcio que abriga o museu.|funda\u00e7\u00e3o=1961|cidade=[[Jyv\u00e4skyl\u00e4]]|pa\u00eds={{FIN}}|latd=|latm=|lats=|latNS=|longd=|longm=|longs=|longEW=|coord_sufixo=|tipo=Hist\u00f3rico e cultural|visitantes=|visitantes_ref=|diretor=|curador=|transporte=|website=[http://www.jyvaskyla.fi/keskisuomenmuseo/verkkoaineistot/ www.jyvaskyla.fi]}}O '''Museu da Finl\u00e2ndia Central''' (em [[L\u00edngua finlandesa|finland\u00eas]]: museo Keski-Suomen) \u00e9 um museu localizado em [[Jyv\u00e4skyl\u00e4]], na [[Finl\u00e2ndia]]. O edif\u00edcio do museu foi projetado por [[Alvar Aalto]].\n\n== Hist\u00f3ria ==\nO museu de [[hist\u00f3ria cultural]] \u00e9 um museu regional e municipal. Ele tamb\u00e9m fornece pesquisa, conserva\u00e7\u00e3o e educa\u00e7\u00e3o. O museu tamb\u00e9m administra outros lugares como a casa de artistas Heiska, o museu Pienm\u00e4ki de Hankasalmi, o Museu de Artesanato da Finl\u00e2ndia Central, Museu do Liceu de Jyv\u00e4skyl\u00e4, o Museu de Artesanato de Vaajakoski em Niitynp\u00e4\u00e4 e em coopera\u00e7\u00e3o no antigo Tribunal de Toivola.{{citar web|url=http://www.toivolanvanhapiha.fi/pihan-tarina|titulo=Histoire de l'ancienne cour de Toivola|data=|acessodata=|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=fi}} O museu tamb\u00e9m \u00e9 respons\u00e1vel pela capela funer\u00e1ria de Carl Christian Rosenbr\u00f6ijer e a oficina de barcos de Nojosniemi.\n\n== Arquitetura e cole\u00e7\u00f5es ==\nO pr\u00f3prio edif\u00edcio do museu \u00e9 uma raz\u00e3o para visitar. Este edif\u00edcio desenhado por Alvar Aalto e constru\u00eddo em [[1961]], est\u00e1 localizado na rua Alvar Aalto Ruusupuisto, no parque \u00c4lyl\u00e4.\n\nAs cole\u00e7\u00f5es permanentes s\u00e3o a exposi\u00e7\u00e3o Jyv\u00e4skyl\u00e4 e a exposi\u00e7\u00e3o da Finl\u00e2ndia Central.{{citar web|url=http://www.jyvaskyla.fi/keskisuomenmuseo/museot/keskisuomenmuseo|titulo=Museon esittely|data=|acessodata=|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=fi}}\n\nO Museu da Finl\u00e2ndia Central fica ao lado do [[Museu Alvar Aalto em Jyv\u00e4skyl\u00e4|Museu de Alvar Aalto]].\n\n== Refer\u00eancias ==\n\n\n== Liga\u00e7\u00f5es externas ==\n* [http://www.jyvaskyla.fi/keskisuomenmuseo/verkkoaineistot Site oficial] - Website oficial do museu\n[[Categoria:Museus da Finl\u00e2ndia]]\n[[Categoria:Alvar Aalto]]\n[[Categoria:Jyv\u00e4skyl\u00e4]]"}]},"6864656":{"pageid":6864656,"ns":0,"title":"Myrcia gilsoniana","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"\n{{Info/Taxonomia\n| imagem = \n| reino = [[Plantae]]\n| ordem = [[Myrtales]]\n| divis\u00e3o = [[Tracheophyta]]\n| infrarreino = [[Streptophyta]]\n| fam\u00edlia = [[Myrtaceae]]\n| superdivis\u00e3o = [[Embryophyta]]\n| subfilo = [[Euphyllophyta]]\n| superdom\u00ednio = [[Biota]]\n| g\u00e9nero = [[Myrcia]]\n| subdom\u00ednio = [[Diaphoretickes]]\n| subreino = [[Viridiplantae]]\n| esp\u00e9cie = [[Myrcia gilsoniana]]\n}}\n'''''Myrcia gilsoniana''''' \u00e9 uma esp\u00e9cie de [[planta]] do g\u00eanero ''[[Myrcia]]'' e da fam\u00edlia [[Myrtaceae]].\n== Taxonomia ==\nA esp\u00e9cie foi descrita em [[1990]] por [[Ariane Luna Peixoto]] e [[Graziela Barroso]].{{Citar web|url=https://www.gbif.org/species/3173917|titulo=Myrcia gilsoniana|acessodata=2022-04-18|website=www.gbif.org|lingua=en}}{{Citar web|url=http://powo.science.kew.org/taxon/urn:lsid:ipni.org:names:301384-2|titulo=Myrcia gilsoniana G.M.Barroso & Peixoto {{!}} Plants of the World Online {{!}} Kew Science|acessodata=2022-04-30|website=Plants of the World Online|lingua=en}}{{Citar peri\u00f3dico |url=http://www.scielo.br/j/abb/a/pt5DPBkH9XMpvfhnHsjrssD/ |titulo=Esp\u00e9cies novas de Myrcia DC. e Marlierea Cambes. (Myrtaceae) |data=1990-12 |acessodata=2022-04-30 |jornal=Acta Botanica Brasilica |ultimo=Barroso |primeiro=Graziela Maciel |ultimo2=Peixoto |primeiro2=Ariane Luna |paginas=03\u201319 |lingua=pt |doi=10.1590/S0102-33061990000200001 |issn=0102-3306}} O ep\u00edteto espec\u00edfico foi dado em homenagem a [[Gilson L. Farias]].\n\n== Forma de vida ==\n\u00c9 uma esp\u00e9cie [[terr\u00edcola]] e [[arb\u00f3rea]]. {{Citar web|url=https://floradobrasil2020.jbrj.gov.br/FB10693|titulo=Myrcia gilsoniana G.M.Barroso & Peixoto|acessodata=2022-04-18|website=floradobrasil2020.jbrj.gov.br}}\n\n== Conserva\u00e7\u00e3o ==\nA esp\u00e9cie faz parte da [[Lista Vermelha da IUCN|Lista Vermelha]] das esp\u00e9cies amea\u00e7adas do estado do [[Esp\u00edrito Santo (estado)|Esp\u00edrito Santo]], no sudeste do [[Brasil]]. A lista foi publicada em 13 de junho de 2005 por interm\u00e9dio do decreto estadual n\u00ba 1.499-R.{{Citar web|url=https://iema.es.gov.br/especies-ameacadas/fauna_ameacada|titulo=IEMA - Esp\u00e9cies Amea\u00e7adas|acessodata=2022-04-12|website=iema.es.gov.br}}\n\n== Distribui\u00e7\u00e3o ==\nA esp\u00e9cie \u00e9 [[end\u00eamica]] do [[Brasil]] e encontrada nos estados brasileiros de [[Bahia]] e [[Esp\u00edrito Santo (estado)|Esp\u00edrito Santo]].{{Citar peri\u00f3dico |url=http://www.scielo.br/j/rod/a/sfjBrgKGZPgPkmsC9g4LJQJ/ |titulo=Myrcia (Myrtaceae) in the Vale Natural Reserve, Linhares, Esp\u00edrito Santo, Brazil |data=2022-03-07 |acessodata=2022-04-30 |jornal=Rodrigu\u00e9sia |ultimo=Scaravelli |primeiro=Fernanda Savioli |ultimo2=Gaem |primeiro2=Paulo Henrique |lingua=en |doi=10.1590/2175-7860202273024 |issn=0370-6583 |ultimo3=Valdemarin |primeiro3=Karinne Sampaio |ultimo4=Lucas |primeiro4=Eve |ultimo5=Mazine |primeiro5=Fiorella Fernanda}}\nA esp\u00e9cie \u00e9 encontrada no [[Dom\u00ednio morfoclim\u00e1tico e fitogeogr\u00e1fico|dom\u00ednio fitogeogr\u00e1fico]] de [[Mata Atl\u00e2ntica]], em regi\u00f5es com vegeta\u00e7\u00e3o de [[Floresta h\u00famida|floresta ombr\u00f3fila pluvial]].\n\nAlgumas fontes consideram a esp\u00e9cie end\u00eamica da Reserva Florestal da Companhia Vale do Rio Doce, em [[Linhares (Esp\u00edrito Santo)|Linhares]].{{Citar web|url=http://www.cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Myrcia%20gilsoniana|titulo=Centro Nacional de Conserva\u00e7\u00e3o da Flora - CNCFlora|acessodata=2022-04-30|website=www.cncflora.jbrj.gov.br}}\n{{Refer\u00eancias}}\n== Liga\u00e7\u00f5es externas ==\n* [http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/listaBrasil/FichaPublicaTaxonUC/FichaPublicaTaxonUC.do?id=FB6007 ''Myrcia gilsoniana'' no projeto Flora e Funga do Brasil]\n{{Controle de autoridade|colapsar}}\n{{esbo\u00e7o-planta}}\n\n[[Categoria:Myrcia|gilsoniana]]\n[[Categoria:Plantas descritas em 1990]]\n[[Categoria:Flora do Esp\u00edrito Santo (estado)]]\n[[Categoria:Esp\u00e9cies citadas na Lista Vermelha de Amea\u00e7a da Flora Brasileira]]\n[[Categoria:Esp\u00e9cies citadas na Lista de Esp\u00e9cies da Flora Amea\u00e7adas do Esp\u00edrito Santo]]"}]},"2656744":{"pageid":2656744,"ns":0,"title":"Diclorobenzeno","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"Existem tr\u00eas distintos [[composto qu\u00edmico]]s, [[composto org\u00e2nico|org\u00e2nicos]], [[Organoclorado|clorados]], [[is\u00f4mero]]s os quais s\u00e3o '''diclorobenzenos''', de f\u00f3rmula C6H4Cl2:\n\n* [[1,2-Diclorobenzeno]] ou ''[[Padr\u00f5es de substitui\u00e7\u00e3o de arenos|orto]]''-diclorobenzeno;\n* [[1,3-Diclorobenzeno]] or ''[[Padr\u00f5es de substitui\u00e7\u00e3o de arenos|meta]]''-diclorobenzeno;\n* [[1,4-Diclorobenzeno]] or ''[[Padr\u00f5es de substitui\u00e7\u00e3o de arenos|para]]''-diclorobenzeno.\n\nImage:O-Dichlorobenzene-2D-skeletal.svg| 1,2-diclorobenzeno\nImage:1,3-dichlorobenzene.png| 1,3-diclorobenzeno\nImage:1,4-dichlorobenzene.svg| 1,4-diclorobenzeno\n\n\n{{desambigua\u00e7\u00e3o}}\n\n[[Categoria:Organoclorados]]\n[[Categoria:Compostos arom\u00e1ticos]]"}]},"2580808":{"pageid":2580808,"ns":0,"title":"Codex Sinopensis","revisions":[{"contentformat":"text/x-wiki","contentmodel":"wikitext","*":"{{info/Manuscrito do Novo Testamento\n| form = Uncial\n| number = '''023'''\n| image =SinopeGospelsFolio29rChristHealingBlind.jpg\n| isize = \n| caption= \n| name = Sinopensis\n| sign = O\n| text = [[Evangelho de Mateus]]\n| script = [[grego]]\n| date = s\u00e9culo 6\n| found = \n| now at = [[Biblioteca Nacional da Fran\u00e7a]]\n| cite = \n| size = 30 x 25 cm\n| type = [[Texto-tipo Bizantino]]\n| cat = V\n| hand = \n| note = \n}}\n\n'''Codex Sinopensis''' designado '''O''' ou '''023''' (Gregory-Aland), \u03b5 19 ([[Manuscrito b\u00edblico#Von Soden|von Soden]]), \u00e9 um [[manuscrito]] [[Escrita uncial|uncial]] [[grego]] dos [[Evangelho de Mateus]], datado pela [[paleografia]] para o s\u00e9culo 6.[[Kurt Aland]] e Barbara Aland, ''The Text of the New Testament: An Introduction To The Critical Editions and to the Theory and Practice of Modern Textual Criticism'', Grand Rapids, Michigan, 1995, p. 113.\n\nO C\u00f3dex Petropolitanus Purpureus, junto com os manuscritos [[Codex Petropolitanus Purpureus|N]], [[Codex Beratinus|\u03a6]], e [[Codex Rossanensis|\u03a3]], pertence ao grupo do Unciais Purp\u00fareo. O manuscrito \u00e9 muito lacunoso.\n\n== Descoberta ==\n\nContem 44 f\u00f3lios dos Evangelho de Mateus (30 x 25 cm). Escrito em uma coluna por p\u00e1gina, em 15 linhas por p\u00e1gina.\n\n; Conte\u00fados\n[[Evangelho de Mateus]]\n7,7-22; 11,5-12; 13,7-47; 13,54-14,4.13-20; 15,11-16,18; 17,2-24; 18,4-30; 19,3-10.17-25; 20,9--21,5; 21,12-22,7.15-14; 22,32-23,35; 24,3-12.\n\n== Texto ==\n\nO texto grego desse [[codex]] \u00e9 um representante do [[Texto-tipo Bizantino]]. [[Kurt Aland|Aland]] colocou-o entre a [[Categorias dos manuscritos do Novo Testamento#Categoria V|Categoria V]].\n\n== Hist\u00f3ria ==\n\nComprada por um oficial franc\u00eas em Sinope em 1899.B.M.Metzger, and B. D. Ehrman, The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption, and Restoration, Oxford University Press, New York, Oxford 2005, p. 79. O seu texto foi publicado por [[Henri Omont]] em 1901.\n\nActualmente acha-se na [[Biblioteca Nacional da Fran\u00e7a]] (Supplement Grec 1286).\n\n== Ver tamb\u00e9m ==\n* [[Anexo:Lista de manuscritos unciais do Novo Testamento Grego|Lista de unciais do Novo Testamento]]\n* [[Cr\u00edtica textual]]\n\n{{refer\u00eancias}}\n\n== Literatura ==\n* Henri Omont, ''Notice sur un tr\u00e8s ancien manuscrit grec de l'\u00e9vangile de saint Matthieu..., Notices et extraits des manuscrits de la biblioth\u00e8que nationale...'', vol. 36 (Paris, 1901), pp. 599\u2013676.\n* H. S. Cronin, [http://www.archive.org/stream/journaltheologi00unkngoog#page/n614/mode/1up ''Codex Chrysopurpureus Sinopensis''], JTS II (1901), pp. 590\u2013600.\n* C. R. Gregory, ''Textkritik des Neuen Testaments'' (Leipzig 1909), vol. 3, pp. 1022\u20131023.\n\n== Liga\u00e7\u00f5es externas ==\n{{Commonscat|Sinope Gospels}}\n* [http://gallica.bnf.fr/Anthologie/notices/00194.htm Biblioth\u00e8que Nationale page] {{fr icon}}\n* [http://classes.bnf.fr/dossisup/grands/ec092a.htm image from Biblioth\u00e8que Nationale ''L'aventure des \u00e9critures'' website] {{fr icon}}\n\n[[Categoria:Unciais do Novo Testamento|Cyprius]]"}]}}}}